Descoberta língua do Peru pré-hispânico – História Viva

Descoberta língua do Peru pré-hispânico – História Viva.

HQ de Beyoncé

Trajetória da cantora Beyoncé vira história em quadrinhos

A cantora Beyoncé vai virar história em quadrinhos. A empresa Bluewater Comics lançará o gibi “Fame: Beyoncé” nos Estados Unidos em janeiro.

Em 32 páginas, a história contará a ascensão de Beyoncé à fama, desde seu começo no Destiny’s Child até o auge de sua carreira solo.

Acompanhe a Folha no Twitter
Conheça a página da Folha no Facebook

Segundo o site da MTV americana, o roteirista da história, CW Cooke, afirmou que trabalhar com a Beyoncé para desenvolver a personagem foi uma ótima experiência. Já o desenhista responsável por transformar a cantora em heroína é Alex Lopez.

A Bluewater já produziu gibis de Michelle Obama, Sarah Palin, Lady Gaga e Taylor Swift, entre outros.

A editora disse que os leitores poderão encomendar os quadrinhos diretamente de sites de compra online.

A capa de "Fame: Beyonce", a história em quadrinhos da cantora

Justin Bieber – Uma biografia não autorizada

 

Justin Bieber
Uma biografia não autorizada

Selo: Retratos
Autor: Chas Newkey-Burden

Tradução: Júlio de andrade Filho
ISBN: 978-85-7927-107-6
EAN: 978-85-7927-107-6
Formato: 14×21
Nº de páginas: 216
Preço: R$ 34,90

A biografia narra a vida pessoal e a trajetória profissional de Justin Bieber, desde os tempos como garoto comum da pacata cidade canadense de Stratford até despontar como um dos maiores fenômenos pop da atualidade. O livro aborda assuntos como a vida difícil que Bieber levava ao lado da mãe, logo após a separação dos pais, revela os bastidores da disputa entre Usher e Justin Timberlake pelo lançamento do primeiro álbum do garoto e relata algumas situações vividas por ele em sua vida particular e amorosa.

http://www.editoraprumo.com.br/justinbieber

Sentir é mais importante que saber NOVAS IDEIAS/ LIDERANÇA – Revista Galileu – Sérgio Chaia

novas ideiasliderança

Sentir é mais importante que saber

Em um mundo de mudanças rápidas, intuir e compreender é mais importante do que acumular conhecimento

Sergio Chaia
Nik Neves

Há mais de 20 anos, quando eu era um aluno de uma das faculdades mais importantes do Brasil, a informação era um produto restrito, fornecido com qualidade somente nas melhores escolas de graduação, acessíveis a poucos. Quem frequentava essas instituições era estimulado a usar o lado esquerdo do cérebro, treinado à racionalidade extrema. A moda era construir modelos matemáticos, estatísticos e de previsibilidade para tudo. Essas eram as competências mais procuradas nos aspirantes a executivos.

Com a internet e o Google, a informação como diferencial se tornou irrelevante. Uma prova é que o Massachusetts Institute of Technology (MIT), um dos principais formadores de cérebros do mundo, passou a oferecer os conteúdos de seus cursos de graça na web. Mas mesmo na era do acesso e da colaboração, não percebo uma evolução no modelo educacional: o foco continua sendo a corrida do saber. Vejo as crianças sendo alfabetizadas cedo demais, com muitas instituições de ensino e pais se vangloriando dessa precocidade. Parece que escrever, multiplicar e usar computadores cada vez mais cedo trarão mais competitividade para os profissionais do futuro.

Em vez de apenas conhecer, no entanto, o fundamental no mercado de trabalho — e na vida — será interpretar e harmonizar informações aparentemente desconexas. E, para isso, precisamos mudar o jeito que ensinamos. Em seus livros O Cérebro do Futuro e Motivação 3.0, o autor de best seller Daniel Pink fala da importância de se usar o lado direito do cérebro, responsável pelas emoções, pela intuição e pelo pensamento não-linear. Ele dá exemplos da importância de competências como design e storytelling, a capacidade que temos de inspirar os outros por meio de histórias verdadeiras, contadas com emoção. Fala ainda sobre sinfonia, que é a arte de unir informações aparentemente desconexas de maneira produtiva, presentes em gênios como o pintor surrealista belga René Magritte (1898-1967) ou o chef catalão Ferran Adrià. Essas são ferramentas essenciais no dia a dia dos líderes de empresas. Afinal, liderar é ter a capacidade de comunicar sua visão de maneira memorável e motivadora. Tenho isso em mente, por exemplo, quando elaboro uma apresentação para investidores. Em vez de usar um monte de gráficos e números, prefiro contar uma boa história. Com isso, evoco emoções que fazem parte da minha vida para me conectar com as pessoas.

Confio tanto na importância de se desenvolver as emoções e a capacidade de reflexão, e não apenas em acumular conhecimento, que coloquei meu filho em uma escola Waldorf, pedagogia que privilegia a formação física, anímica e espiritual. Ela é citada por Pink como uma das mais adequadas ao novo momento do mundo, marcado por mudanças constantes. As crianças aprendem a olhar para si mesmas, a desenvolver conexões e a refletir, estimuladas por contos e artes manuais. E não por uma obrigação de obter uma grande quantidade de informações, algo que perdeu o sentido em uma época em que entender, analisar e escolher seu caminho é mais importante que saber tudo. 

*sergio chaia é presidente da empresa de telecomunicações

%d bloggers like this: