Sentir é mais importante que saber NOVAS IDEIAS/ LIDERANÇA – Revista Galileu – Sérgio Chaia

novas ideiasliderança

Sentir é mais importante que saber

Em um mundo de mudanças rápidas, intuir e compreender é mais importante do que acumular conhecimento

Sergio Chaia
Nik Neves

Há mais de 20 anos, quando eu era um aluno de uma das faculdades mais importantes do Brasil, a informação era um produto restrito, fornecido com qualidade somente nas melhores escolas de graduação, acessíveis a poucos. Quem frequentava essas instituições era estimulado a usar o lado esquerdo do cérebro, treinado à racionalidade extrema. A moda era construir modelos matemáticos, estatísticos e de previsibilidade para tudo. Essas eram as competências mais procuradas nos aspirantes a executivos.

Com a internet e o Google, a informação como diferencial se tornou irrelevante. Uma prova é que o Massachusetts Institute of Technology (MIT), um dos principais formadores de cérebros do mundo, passou a oferecer os conteúdos de seus cursos de graça na web. Mas mesmo na era do acesso e da colaboração, não percebo uma evolução no modelo educacional: o foco continua sendo a corrida do saber. Vejo as crianças sendo alfabetizadas cedo demais, com muitas instituições de ensino e pais se vangloriando dessa precocidade. Parece que escrever, multiplicar e usar computadores cada vez mais cedo trarão mais competitividade para os profissionais do futuro.

Em vez de apenas conhecer, no entanto, o fundamental no mercado de trabalho — e na vida — será interpretar e harmonizar informações aparentemente desconexas. E, para isso, precisamos mudar o jeito que ensinamos. Em seus livros O Cérebro do Futuro e Motivação 3.0, o autor de best seller Daniel Pink fala da importância de se usar o lado direito do cérebro, responsável pelas emoções, pela intuição e pelo pensamento não-linear. Ele dá exemplos da importância de competências como design e storytelling, a capacidade que temos de inspirar os outros por meio de histórias verdadeiras, contadas com emoção. Fala ainda sobre sinfonia, que é a arte de unir informações aparentemente desconexas de maneira produtiva, presentes em gênios como o pintor surrealista belga René Magritte (1898-1967) ou o chef catalão Ferran Adrià. Essas são ferramentas essenciais no dia a dia dos líderes de empresas. Afinal, liderar é ter a capacidade de comunicar sua visão de maneira memorável e motivadora. Tenho isso em mente, por exemplo, quando elaboro uma apresentação para investidores. Em vez de usar um monte de gráficos e números, prefiro contar uma boa história. Com isso, evoco emoções que fazem parte da minha vida para me conectar com as pessoas.

Confio tanto na importância de se desenvolver as emoções e a capacidade de reflexão, e não apenas em acumular conhecimento, que coloquei meu filho em uma escola Waldorf, pedagogia que privilegia a formação física, anímica e espiritual. Ela é citada por Pink como uma das mais adequadas ao novo momento do mundo, marcado por mudanças constantes. As crianças aprendem a olhar para si mesmas, a desenvolver conexões e a refletir, estimuladas por contos e artes manuais. E não por uma obrigação de obter uma grande quantidade de informações, algo que perdeu o sentido em uma época em que entender, analisar e escolher seu caminho é mais importante que saber tudo. 

*sergio chaia é presidente da empresa de telecomunicações

Anúncios

Jimmy Page: livro de R$1.280 esgotado antes de ir à venda – Novidades (Notícia)

Jimmy Page: livro de R$1.280 esgotado antes de ir à venda – Novidades (Notícia).

Nova Gráfica oferece livro em português a Barack Obama

Nova Gráfica oferece livro em português a Barack Obama

Uma edição de luxo do mais pequeno livro do mundo escrito em português, a obra ‘O Barco e o Sonho’, vai ser oferecida a Barack Obama quando o presidente norte-americano se deslocar a Lisboa para a Cimeira da NATO.

Numa iniciativa da açoriana Nova Gráfica, Barack Obama vai receber uma edição especial de uma das obras mais emblemáticas do escritor açoriano Manuel Ferreira, que relata a história verídica de dois homens dos Açores que construíram, em meados do século passado, uma pequena embarcação para conseguirem chegar à costa dos Estados Unidos.

O presidente norte-americano desloca-se a Lisboa para participar na Cimeira da NATO, que decorre a 19 e 20 de novembro, altura em que lhe será entregue, segundo assegurou à Lusa fonte da gráfica, “o mais pequeno livro do mundo escrito em português”, com 12x17milímetros e 100 páginas.

Esta edição especial de uma história de emigração que representa o movimento que levou muitos açorianos para os EUA, inclui uma edição de mesa de ‘O Barco e o Sonho’ e outra de bolso, dentro da qual estão duas miniaturas com as edições da obra em português e inglês.

O conjunto que será oferecido ao presidente norte-americano foi inicialmente entregue ao cônsul norte-americanos nos Açores, tendo seguido, segundo a gráfica açoriana, para a Embaixada dos EUA em Lisboa.

A Nova Gráfica, que venceu o prémio de trabalho gráfico do ano ‘Papies 2010’, revelou que a obra foi integralmente produzida nos Açores e no continente, tendo sido impressa com papel nacional.

Diário Digital / Lusa

O primeiro best seller do Twitter – Superinteressante

O primeiro best seller do Twitter – Superinteressante.

Estudo aponta crescimento de classe emergente digital na América Latina – O Globo Online

Estudo aponta crescimento de classe emergente digital na América Latina – O Globo Online.

DIA DAS CRIANÇAS EM OUTROS PAÍSES

Dia Mundial da Criança, oficialmente, é 20 de novembro, data que a ONU reconhece como Dia Universal das Crianças por ser a data em que foi aprovada a Declaração dos Direitos da Criança.[1] Porém, a data efetiva de comemoração varia de país para país.

 

O dia da criança foi comemorado, pela primeira vez, no mundo inteiro a 1 de Junho de 1950.

Na década de 1920, o deputado federal Galdino do Valle Filho teve a idéia de “criar” o dia das crianças. Os deputados aprovaram e o dia 12 de outubro foi oficializado como Dia da Criança pelo presidente Arthur Bernardes, por meio do decreto nº 4867, de 5 de novembro de 1924.

Mas somente em 1960, quando a Fábrica de Brinquedos Estrela fez uma promoção conjunta com a Johnson & Johnson para lançar a “Semana do Bebê Robusto” e aumentar suas vendas, é que a data passou a ser comemorada. A estratégia deu certo, pois desde então o dia das Crianças é comemorado com muitos presentes!

Logo depois, outras empresas decidiram criar a Semana da Criança, para aumentar as vendas. No ano seguinte, os fabricantes de brinquedos decidiram escolher um único dia para a promoção e fizeram ressurgir o antigo decreto. A partir daí, o dia 12 de outubro se tornou uma data importante para o setor de brinquedos no Brasil.

 

A data em outros países

 

DIA 29 DE OUTUBRO – DIA NACIONAL DO LIVRO

No dia 29 de outubro é comemorado o dia nacional do
livro.

Para a primeira biblioteca do Brasil, Portugal disponibilizou
um acervo bibliográfico muito rico, vindos da Real Biblioteca Portuguesa, com
mais de sessenta mil objetos. O acervo era composto por medalhas, moedas,
livros, manuscritos, mapas, etc.

As primeiras acomodações da Biblioteca foram em salas do
Hospital da Ordem Terceira do Carmo, na cidade do Rio de Janeiro.

A escolha da data foi em razão da transferência da mesma para
outro local, no dia 29 de outubro de 1810, fundando-se assim a Biblioteca
Nacional do Livro, pela coroa portuguesa.

Da data da fundação até por volta de 1914, para se fazer
consultas aos materiais da biblioteca era necessária uma autorização prévia.

O primeiro livro publicado no Brasil foi Marília de Dirceu,
escrito por Tomás Antônio Gonzaga. Na época, o imperador do país fazia uma
leitura prévia dos mesmos, a fim de liberar ou não o seu conteúdo, funcionando
como censura.

Em 1925, Monteiro Lobato, escritor e editor, autor do Jeca Tatu
e do Sítio do Picapau Amarelo, fundou a Companhia Editora Nacional, trazendo
grandes possibilidades de crescimento editorial para o Brasil.

Curiosidades sobre livros e leitura no Brasil:

O brasileiro lê, em média 4,7 livros por ano, contra 10 nos EUA
ou na França e 15 nos países nórdicos. Dos 4,7 livros lidos pelos
brasileiros,apenas 0,9 não são livros didáticos.

A Unesco ( Organizações das Nações Unidas para a Educação, a
Ciência e a Cultura) recomenda que haja uma livraria para cada 10 mil pessoas.
No Brasil ,com 190 mil habitantes,temos 2.700 livrarias uma para cada 70 mil
habitantes.

Quem são os leitores no Brasil

Na última pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, 95,6 milhões
(55% da população estudada) declararam ter lido pelo menos 1 livro nos últimos 3
meses (outros 6 milhões leram em meses anteriores e não foram computados).
Dentre esses, 47,4 milhões (50%) dos leitores são estudantes que leem livros
indicados pelas escolas (inclusive didáticos). Do soutros 41,1 milhões que não
são estudantes:

– 7,3 milhões (9%) têm até a 4ª série do Ensino
Fundamental.
– 10,6 milhões (27%) têm de 5ª a 8ª série do Ensino
Fundamental.
– 14,9 milhões (37%) têm Ensino Médio.
– 8,5 milhões (55%)
têm Ensino Superior.

–  1/3 dos leitores afirma ler frequentemente.
– 55% são
mulheres. Mulheres leem mais que homens em todos os gêneros, exceto em História,
Política e Ciências Sociais.- 6,9 milhões (7%) dos leitores estavam lendo a
Bíblia.

Quem mais influenciou os leitores a ler:

Mãe (ou responsável mulher)  49%
Professora  33%
Pai (ou responsável
homem)  30%
Outro parente  14%
Amigo  8%
Padre, pastor ou líder
religioso  5%
Colega ou superior no trabalho  2%
Outros  3%
Ninguém 
14%
Não sabe ou não informou  1%

Perfil dos leitores que declaram gostar de ler em seu
tempo livre e fazer isso com frequência

– Formação superior (79%)
– Renda familiar acima de 10
salários mínimos (78%)
– Chefes de família (76%)
– Espíritas (76%)

Trabalham e estudam (73%)
– Membros das classes A (75%) e B (74%)

Moradores da região Sul (72%)
– Moradores das regiões metropolitanas
(69%)
– Jovens e adultos de 18 a 24 anos (67%) e 30 a 39 (68%)

Origem dos livros lidos, por classe social

Classe A Classe B Classe C Classe D Classe E
Comprado 73% 65% 48% 32% 27%
Xerocado 5% 8% 8% 5% 2%
Presenteado 30% 30% 21% 24% 25%
Emprestado por Biblioteca 24% 31% 37% 33% 22%
Emprestado por Particular 35% 47% 46% 44% 49%
Distribuídos pelo governo 3% 11% 15% 29% 40%
Baixado da Internet 10% 13% 9% 3% 3%

%d bloggers like this: